Ex-prefeita de Bom Jardim se entrega à polícia após 39 dias foragida

Lidiane Leite, 25, é
suspeita de desviar milhões em verbas da educação. Ela se entregou no começo da tarde desta segunda-feira (28).

Do G1MA

Depois de passar 39 dias foragida
da Justiça, a prefeita afastada de Bom Jardim (MA), Lidiane Leite da Silva, de 25
anos, se apresentou na sede da Superintendência da Polícia Federal (PF), em São
Luís, capital do estado, nesta segunda-feira (28).

Ela sumiu após sua prisão ter sido decretada na
Operação Éden
, que investiga desvios de verbas da educação.
Acompanhada por três advogados,
Lidiane chegou à sede da PF por volta de 13h e entrou pelos fundos. Ela
apareceu vestida com blusa e calça pretas e com poucas mudanças no visual. Está
aparentemente abatida, mas continua loira e manteve o mesmo corte de cabelo.

O superintendente da Polícia Federal, Alexandre Saraiva, havia anunciado que Lidiane não teria regalias ou
privilégios
, mas no dia 25 de setembro, o juiz da 2ª Vara da Justiça
Federal, José Magno Linhares, em atendimento a pedido de relaxamento de prisão
apresentado pela defesa, determinou que ela fosse
recolhida ao quartel do Corpo de Bombeiros

O magistrado explicou que a medida adotada teve a intenção de garantir a
integridade física da investigada, diante da notoriedade e da proporção da
repercussão que ganhou o caso. “Quanto ao questionamento acerca da decisão que
determinou o recolhimento da investigada Lidiane Leite da Silva ao quartel do
Corpo de Bombeiros desta capital, após se apresentar na sede Polícia Federal
para cumprimento do mandado de prisão, esclareço que se trata de medida que
visa resguardar a integridade física da investigada, diante da notoriedade e da
proporção da repercussão que o caso ganhou, não se tratando, de forma alguma,
de concessão de privilégio à ex-prefeita, mas sim de medida de cautela e
prudência, diante do caso concreto”, afirmou.

O superintendente evitou comentar a decisão da Justiça. “Não cabe a
Polícia Federal contestar. Nós respeitamos as decisões judiciais e as cumprimos.
A Polícia Federal fez a sua parte: instaurou o inquérito, investigou, descobriu
autoria, a materialidade e em razão do nosso trabalho ela se entregou”,
explicou.
Foragida

Um dos advogados da prefeita afastada, Sérgio Muniz, disse que ela não saiu da
cidade.
“A Lidiane sempre esteve em
Bom Jardim, que é o oitavo maior município do Maranhão e que, por isso, não
precisava estar dentro da prefeitura para gerir o município. Um dia antes da
decisão do seu afastamento pela Justiça, ela realizou o pagamento de servidores
municipais e fornecedores”, afirmou.



O delegado Ronildo Lajes, que é o responsável pelo inquérito, confirmou que
Lidiane estava foragida e descartou que ela estivesse escondida todo esse tempo
no município de Bom Jardim.
“As diligências foram feitas
sim na cidade e no interior de Bom Jardim, mas é claro que o advogado está no
papel dele de tentar amenizar as coisas para a investigada. De fato ela estava
foragida e não tem como alguém afirmar que ela estava governando em Bom
Jardim”, disse.
Comunicação

Ainda segundo Lajes, Lidiane estava sendo orientada a não usar qualquer meio
eletrônico para se comunicar com os familiares, o que dificultou a localização
dela.
“A gente tinha notícias do
paradeiro dela, por isso a nossa certeza que ela estava sendo ajudada por
alguém que a orientava a não usar meio eletrônicos para falar com familiares.
Nós temos algumas informações sobre essas pessoas, mas isto não é oportuno
divulgar neste momento”.
Lidiane vai ser ouvida e depois
será levada ao Instituto Médico Legal (IML) para realizar exame de corpo de
delito. Após os procedimentos, ela deve ser encaminhada para o quartel do Corpo
de Bombeiros de São Luís, onde permanecerá à disposição da
Justiça.
Cerco

O nome de Lidiane não chegou a ser incluído na lista vermelha da Interpol (a
polícia internacional), como a PF havia anunciado no mês passado.
O cerco para capturá-la contou com
reforço da vigilância nas rodoviárias e aeroportos do
Maranhão. O superintendente da PF chegou a anunciar que quem ajudasse a prefeita a se
esconder
 seria
incluído como participante de organização criminosa.
Prazo de 72 horas

Na última sexta-feira (25), o juiz da 2ª Vara do Tribunal Regional Federal
(TRF), José Magno Linhares, havia estipulado o prazo de 72 horas para que a prefeita
afastada de Bom Jardim se entregasse
.
O magistrado entendeu que Lidiane
Leite tinha interesse em se apresentar à Justiça para “prestar os
esclarecimentos necessários à elucidação dos fatos”.
A decisão foi tomada após a
apresentação de um pedido de revogação da prisão preventiva de Lidiane Leite,
que foi feito pelo advogado de Antônio Gomes da Silva, ex-secretário de
Agricultura do município.

Informações e
vídeos podem ser enviados ao Blog Bacabeira em Foco através do
e-mail:
bacabeiraemfoco@hotmail.com ou pelo Whatsapp (98) 9965-0206