Advogado volta a criticar OAB e ‘superdeuses’ da justiça maranhense

Por Jefferson Calvet
Blog Bacabeira em Foco
Mais uma vez o advogado Mozart
Baldez, que atua na área de processos criminais, volta a virar notícia em todo
o estado por causa de entrevistas concedidas a blog, rádios, televisão e jornais
impressos de alto alcance estadual, por se manifestar contra algumas atitudes e
posturas no judiciário maranhense e contra o modo de proceder da diretoria da
Ordem dos Advogados do Brasil – OAB, na seccional do Maranhão.
Cotadíssimo para substituir o atual
presidente da OAB, Dr. Mário Macieira, na eleição que deve acontecer no mês de
novembro deste ano, Baldez vem se destacando na defesa da classe em alguns
recentes episódios que acabaram magoando muitos membros filiados da Ordem. Por exemplo,
a polêmica em torno de uma cobrança de R$ 40,00, que daria
direito a um crachá de acesso do advogado ao Fórum Desembargador Sarney Costa,
no Calhau, local de trabalho diário dos defensores que atuam no estado.

Na época, Mozart havia dito ao titular do blog Bacabeira em Foco que
a ação foi a gota d’água para o desencadeamento de uma crise sem precedentes
entre a maioria dos advogados e a Seccional da Ordem dos Advogados do Maranhão. No entanto, após manifestação de Baldez no campo da
imprensa estadual, a diretoria da OAB recuou e cancelou a cobrança.
Ele, Mozart Baldez, também já
manifestou sua insatisfação ao Judiciário maranhense, ao criticar a morosidade
no julgamento de processos e a ausência de juízes na capital e no interior.
Constantemente Mozart Baldez usa uma de suas
ferramentas para divulgar suas críticas contra a gestão da seccional maranhense
e contra os problemas enfrentados no judiciário. As redes sociais viraram
aliado do advogado no combate às irregularidades no sistema.
Após a repercussão positiva nas denúncias feitas e
divulgadas na imprensa, o blog Bacabeira
em Foco
também tratou de conversar com Baldez e fazer algumas perguntas que
tem deixado muita gente curiosa, principalmente em relação a eleição da OAB.
Perguntamos, a priori, se ele seria candidato a presidência
da OAB-MA.
Mozart – Não. Não
sou candidato a nada, apenas exerço minhas prerrogativas de membro da Ordem dos
Advogados do Brasil, que é cobrar meus direitos de filiado da seccional.
Bacabeira
em Foco –
Se, por acaso, o seu nome fosse citado e indicado por um bom número de
membros para ser candidato a presidência da ordem, o senhor aceitaria?
Mozart – A princípio
não, mas se fosse para arrumar a casa e dar condições dignas para a classe eu
aceitaria.
Talvez todo esse comentário de que serei candidato
tenha partido de minha própria iniciativa de me posicionar contrário a algumas
determinações e manifestar-me publicamente na mídia diante dos absurdos e
abusos contra a classe.
Bacabeira
em Foco –
Na polêmica da cobrança de R$ 40 para aquisição de crachás de acesso ao
fórum, você acha que serviu para mostrar força dentro da ordem?
Mozart – Bom, de
alguma forma sim, mas o pensamento não foi esse. Tivemos apenas uma postura de
indignação contra a atitude da diretoria da ordem, que quis adotar uma medida
que acaba, de alguma forma, burocratizando ainda mais o trabalho dos advogados,
pois já temos carteira de advogado com chip, acesso digital e
anuidade. O advogado está muito onerado para trabalhar. Aí, vem mais essa ideia
absurda de que, para ter acesso ao fórum, o advogado precisaria pagar uma taxa
para confecção de um crachá de identificação.
Bacabeira
em Foco –
Qual seria sua nota de 1 a 10 para a gestão de Macieira na OAB?
Mozart
Baldez
– Primeiro que a gestão da Ordem do Maranhão não tem a cara
dos advogados. Logo, se não tem a cara dos advogados a seccional não atua em
favor da classe, e se não atua e favor da classe, não merece representar.
Não vou dar nota, vou dar minha avaliação: a
nossa Seccional da Ordem não tem a cara dos advogados.
O advogado criticou ainda a ligação direta do
presidente da OAB com política partidária, afirmando, inclusive, que, nos
últimos anos, a Ordem vem sendo utilizada para a promoção de quem está no poder.
Quanto ao judiciário maranhense, Mozart disse que é um Poder que ainda precisa passar por muitas transformações
até chegar ao nível de excelência que a sociedade tanto anseia. “Basicamente, as mudanças mais urgentes deveriam
começar pelos próprios magistrados, que são funcionários públicos e recebem
altos salários para oferecer um serviço de péssima qualidade.”
Disse.
Baldez sugere ainda em
acabar com a ideia dos ‘superdeuses’ da justiça maranhense, visando o fim da
morosidade processual e para uma efetiva prestação jurisdicional.
A grande transformação pela qual deve passar o Judiciário do Maranhão
começa em acabar com a ideia dos ‘superdeuses’ da justiça maranhense. Não somente
a Justiça Estadual como a Federal, do Trabalho e Eleitoral. Temos que acabar
com isso, os magistrados são funcionários públicos e são
pagos para prestar serviços, não podemos mais viver em um país que enfrenta
problemas sociais com grandes crises intermináveis, aceitar que juiz só
trabalhe meio expediente, enquanto as prateleiras estão abarrotadas de
processos, isso, porque a justiça trabalha pouco, ganha muito e produz pouco.
Uma justiça inoperante gera maiores conflitos e violência, daqui a pouco as
pessoas estão fazendo justiça pelas próprias mãos
”. Criticou Baldez.

Informações
e vídeos podem ser enviados ao Blog Bacabeira em Foco através
do e-mail:
bacabeiraemfoco@hotmail.com ou pelo WhatSapp (98)
9965-0206